Eleições

Aliados de Lula traçam plano contra iniciativa do centrão de avançar sobre emendas

30 de Junho de 2022 às 13h36 - Por: Folhapress Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
[Aliados de Lula traçam plano contra iniciativa do centrão de avançar sobre emendas]

Ex-presidente tem criticado as chamadas emendas de relator, que são a base de negociações políticas de Bolsonaro

Diante da ameaça do Congresso de tornar obrigatórias as chamadas emendas de relator e reduzir ainda mais os poderes do Palácio do Planalto, aliados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) passaram a defender que a votação do Orçamento de 2023 ocorra apenas no próximo ano.

Apostando numa vitória do ex-presidente nas eleições, o objetivo dos petistas é ganhar tempo para reorganizar as forças políticas no Legislativo e, assim, tentar garantir um maior controle sobre o Orçamento da União para um eventual governo Lula.

A avaliação é que a atual articulação conduzida pelo centrão, no sentido de transformar em impositivas as emendas de relator, levará a uma redução ainda maior do poder do presidente da República a partir de 2023 —seja ele Lula ou Jair Bolsonaro (PL).

As emendas de relator devem somar cerca de R$ 19 bilhões no Orçamento do próximo ano, valor que chega a superar a verba de alguns ministérios.

Leia também:
Flávio Bolsonaro diz que não tem como controlar reação violenta de apoiadores caso pai perca eleições
"Casos isolados", diz Bolsonaro sobre corrupção em seu governo
Pedro Guimarães oficializa demissão como presidente da Caixa

A distribuição desse dinheiro é feita atualmente a partir de acordos políticos conduzidos pela cúpula do Parlamento, principalmente pelo presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL).

Essas emendas também se transformaram no principal método de negociação política para a formação da base de Bolsonaro.

O movimento do centrão avançou mais um passo nesta quarta-feira (29). A comissão mista de Orçamento do Congresso aprovou um dispositivo na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) que torna obrigatória a execução das emendas de relator.

Essas emendas também se transformaram no principal método de negociação política para a formação da base de Bolsonaro.

O movimento do centrão avançou mais um passo nesta quarta-feira (29). A comissão mista de Orçamento do Congresso aprovou um dispositivo na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) que torna obrigatória a execução das emendas de relator.

Diante do quadro, aliados de Lula no Parlamento passaram a discutir uma estratégia para tentar reduzir o montante que será reservado para as emendas de relator. Simplesmente acabar com esse tipo de emenda —o cenário ideal para Lula— é considerado hoje algo improvável.

A ideia discutida é tentar arrastar a votação do Orçamento até o ano que vem. No diagnóstico dos petistas, parte dos parlamentares que hoje orbita o centrão tende a buscar uma aproximação com Lula, caso o ex-presidente vença a disputa eleitoral.

O deputado José Guimarães (CE), vice-presidente nacional do PT, afirma que irá defender que o projeto de Orçamento seja revisto em um eventual período de transição de governo.

"Em novembro, dezembro, vamos ter um [projeto de] Orçamento no Congresso que não é do Lula. Nada mais justo do que esperarmos o novo governo para aprovarmos o Orçamento", disse.

"É uma armação montada pelo centrão e pelo Lira. Não podemos deixar que o centrão controle toda essa fatia do Orçamento", acrescentou o deputado Rogério Correia (PT-MG), que já apresentou projeto para mudar as regras de distribuição das emendas parlamentares.

Em tese, deixar a aprovação do Orçamento para o ano que vem pode permitir que o texto seja votado pelos deputados e senadores que tomam posse em fevereiro. Dessa forma, dizem os petistas, mudanças nas verbas destinadas para emendas poderiam ser feitas por um Legislativo mais simpático a Lula.

Outro argumento para o adiamento é o calendário eleitoral interno da Câmara e do Senado.

Se Lula voltar ao Planalto, o PT deve ter como uma de suas prioridades em 2023 tentar derrotar Lira na eleição para a presidência da Câmara —o que enfraqueceria um dos pilares de sustentação das emendas de relator.

Caso o Orçamento não seja aprovado até o final de dezembro, algumas regras serão ativadas para limitar temporariamente os gastos do Executivo. O pagamento das emendas de relator também seria afetado até a conclusão da votação no Parlamento.

O engessamento do Orçamento através desse tipo de emenda tem sido patrocinado pelo centrão, grupo de partidos que compõem a base de apoio de Bolsonaro. Os maiores expoentes são PL, PP e Republicanos.

Os três partidos estão unidos na campanha à reeleição do mandatário. Integrantes dessas siglas temem que Lula, se eleito, tente reverter o avanço do Congresso sobre o controle orçamentário.

Petistas que fazem parte da campanha de Lula reconhecem que a articulação dos partidos aliados a Bolsonaro pode dificultar a formação de uma base política no Congresso em 2023, ainda no cenário de vitória do ex-presidente.

Atualmente, as emendas de relator não são consideradas impositivas. Essa característica, que transforma o uso dos recursos em uma exigência, é aplicada às emendas individuais e de bancada.

A primeira vez que o Congresso aprovou o mecanismo de emenda individual impositiva foi durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). O processo foi marcado por embates entre o Planalto, que se opunha à ideia, e o Legislativo.

Primeiro, a obrigatoriedade constou na LDO e, depois, passou a ser prevista na Constituição —mudança aprovada enquanto Eduardo Cunha (MDB), algoz de Dilma, comandava a Câmara.

Siga o PNotícias no Google Notícias e receba as principais notícias do dia em primeira mão.

Comentários

Outras Notícias

[Zé Ronaldo continua na base de ACM Neto e vai coordenar campanha]
Eleições

Zé Ronaldo continua na base de ACM Neto e vai coordenar campanha

09 de Agosto de 2022

Acordo de paz será confirmado durante evento nesta quarta-feira, na Princesinha do Sertão

[Quem são os candidatos mais ricos ao Governo da Bahia? Veja bens declarados]
Eleições

Quem são os candidatos mais ricos ao Governo da Bahia? Veja bens declarados

08 de Agosto de 2022

Justiça Eleitoral publicou bens dos candidatos ao governo da Bahia

[Distância entre Lula e Bolsonaro diminui para 7%, aponta BTG/FSB]
Eleições

Distância entre Lula e Bolsonaro diminui para 7%, aponta BTG/FSB

08 de Agosto de 2022

Petista reduz 3% e agora marca 41%, enquanto atual presidente subiu mesmos 3% e aparece com 34%

[Eleições 2022 mantêm maioria do eleitorado feminina, com 53%]
Eleições

Eleições 2022 mantêm maioria do eleitorado feminina, com 53%

08 de Agosto de 2022

Mesmo com voto facultativo, há 87,4 mil eleitoras com mais de 100 anos

[Candidatos ao governo da Bahia criticam ausência de ACM Neto em debate da TV Band]
Eleições

Candidatos ao governo da Bahia criticam ausência de ACM Neto em debate da TV Band

08 de Agosto de 2022

Declarações aconteceram na chegada à emissora

[Simone Tebet registra candidatura à Presidência no TSE]
Eleições

Simone Tebet registra candidatura à Presidência no TSE

07 de Agosto de 2022

Registros devem ser feitos até dia 15 de agosto

Galeria

[Prefeitura inicia 4ª etapa de requalificação do entorno do Farol de Itapuã]

Prefeitura inicia 4ª etapa de requalificação do entorno do Farol de Itapuã

24 de Março de 2022

Ver todas as galerias

Vídeos

[Vídeo: clientes são surpreendidos por suspeito armado em restaurante na Pituba]

Vídeo: clientes são surpreendidos por suspeito armado em restaurante na Pituba

11 de Abril de 2022

Ver todos os vídeos